Questões do passado em uma Europa diferente [Dead Europe 2012]

Nesta sexta feira tive o prazer de assistir no canal a cabo Cinemax o filme Europa Morta, filme de 2012 e que foi exibido no festival de cinema do Rio no ano retrasado, assim como a maioria dos filmes de festival, nem sempre ele vai para os cinemas ou para locadora, devemos esperar a boa vontade da tv a cabo. Se o filme for pouco comercial, talvez você nunca assista.

deadeurope_review1

Europa Morta tem a direção de Tony krawitz um diretor pouco conhecido. Entre seus trabalhos podemos destacar o bom Jewboy de 2005.

O filme narra a história de uma tradicional família Grega, que vive na Austrália. Seu filho mais velho Isaac [Interpretado pelo competente Ewen Leslie] é um famoso fotografo gay que tem a chance de levar seu trabalho para sua terra Natal. Sua família tenta impedir essa viagem, pois seu pai Vassili foi amaldiçoado.

Na mesma semana da sua viagem seu pai morre, junto com o segredo da maldição. Agora Isaac se sente obrigado a levar a cinzas de seu Pai para a Grécia e tentar descobrir um pouco mais sobre essa maldição.

Dead Europe acerta em mostrar uma Europa diferente. Aqui não tem espaço para a Europa do cartão postal. Vemos uma Europa decaída e longe de ser uma terra de sonhos. Até quando o personagem está em Paris, vemos um lado pouco glamoroso da cidade luz. Mas o maior choque fica por conta de Atenas onde vemos uma sociedade em ruínas, tomada por pobreza e sem identidade.

1112INTERVIEW_Tony_Krawitz,_Director_Of_Dead_Europe

Isaac também sofre uma transformação, sua máscara da arrogância acaba caindo, com o passar das semanas, sua confiança se esvai e cada vez que descobre mais sobre o passado da sua família, mais ele se desconhece.

O filme também se faz pelos bons diálogos. Um dos melhores diálogos do filme é do encontro de Isaac com Amina [Ania Bukstein] uma palestina que vive ilegalmente em Paris e que Isaac fica incumbido de ajudar. Os dois discutem a relação do Antissemitismo e como isso serve para acobertar os erros dos Judeus.

Ainda existe muito a se pensar sobre a “real maldição”, eu vejo como uma luta, onde o passado de sua família recai sobre seus ombros: A escolha de fugir para um novo continente de deixar amigos e parentes para trás, escolhes que sempre recaem na próxima geração.

de1

O filme guarda mais segredos e por isso merece ser visto.

Malditovivant volta na quarta com um novo post.

Anúncios

Comente [Vamos dividir um Drink!]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s