O Homem Duplicado o melhor filme do Ano.

212

O ano de 2014 ainda não acabou e eu arrisco em dizer que O Homem Duplicado é o melhor filme do ano e novamente ninguém vai assistir [Vide a quantidade de salas de cinema que tem estão exibindo o filme]. O Homem Duplicado foge da ideia do cinema fácil, onde mesmo com as sombras, a luz se mostra perto do fim e salva dia.

O filme é baseado em um célebre livro de José Saramago, apesar disso o diretor Denis Villenueve assimila a obra e vai direto ao ponto [fugindo da lógica dos escritos de Saramago] para “compensar” cria uma obra repleta de simbologias, dentro de um thriller bem aplicado.

Preso dentro de teias

Preso na teia

No filme temos Jake Gyllenhaal, no papel central [novamente se mostrando um ator de primeira linha] como Adam, outra jogada do diretor Villeneuve que mudou o nome do personagem central, para criar uma possível referência ao primeiro homem.

Adam é um professor de uma universidade, que vive uma vida monótona, por conta desta nossa modernidade vive institucionalizado preso a sua rotina. Suas aulas se repetem dia após dia, sua vida se resume a isso, e mesmo tendo um romance tórrido com uma jovem [A belíssima Mélanie Laurent], sua vida está estagnada.

Bela Mélanie Laurent

Bela Mélanie Laurent

Por conta de uma conversa casual com um colega de trabalho, Adam foge desta teia rotineira e aluga um filme, neste filme ele se reconhece em um dos figurantes, mas Adam nunca trabalhou como ator, como alguém pode ser parecido com ele.

O mundo de Adam desmorona, ele não acredita que exista outra pessoa com as feições iguais a dele, quem será esse figurante?

O que é real

O que é real

Adam entra em uma corrida para tentar se confrontar com esse sósia, que tem uma vida bem melhor do que a dele.

Voltando as escolhas de simbologia do diretor, a escolha da cor amarela é mais um acerto da direção, essa luz quase crepuscular mostra um possível mundo ameaçador onde o tempo parece não existir. Mas a simbologia que mais se destaca no filme é a Aranha, ela é vista logo no inicio do filme onde Adam participa de um clube secreto de Sexo e uma das garotas pisa em uma aranha.

Poder

Poder

A aranha é a imagem da fêmea manipuladora e poderosa, envolve tudo a sua volta com a teia. Adam tem medo deste “poder”, e o medo de se comprometer com qualquer relacionamento. Toda mulher acaba se materializando como uma aranha no decorrer do filme, a maior aranha é sua mãe, aquela que nunca podemos ignorar a “super manipuladora”.

A aranha esmagada na primeira cena, nada mais é do que Adam sendo infiel e destruindo o poder da manipuladora.

Quem Somos?

Quem Somos?

E o filme está cheio de outras referências a isso, teias espalhadas pela cidade, a ideia do guindaste [uma teia gigante, ou mesmo uma perna de aranha], o vidro estilhaçado e claro a cena final, que dá a resposta ao filme.

Enemy_Poster.jpg.CROP.promovar-mediumlarge

Vou tentar ir ao cinema novamente, mas será impossível vencer O Homem Duplicado.

Malditovivant, volta na quarta com novos posts.

Pelos Olhos de Kusama [YAYOI KUSAMA – OBSESSÃO INFINITA]

“Trabalho, doença, trabalho, doença —esta condição ocorre continuamente sem fim”

Yayoi Kusama

Kusama Hoje

Kusama Hoje

Finalmente chegou a São Paulo a exposição com o trabalho da artista Japonesa Yayoi Kusama, eu já havia visto essa exposição ano passado no Rio de Janeiro, por lá a exposição fez bastante sucesso e acredito que fará um grande sucesso em São Paulo também. Aproveitei e levei minha sobrinha para conhecer a artista.

Hoje com 85 anos, Kusama vive reclusa em um hospital psiquiátrico, mas isso não impede que sua obsessão se externe em seus quadros, sim essa senhora ainda produz quadros e tenta a cada dia se reinventar.

Obsessão Fálica

Obsessão Fálica

Na primeira sala já temos o inicio da obsessão da artista, com a criação de malhas e estudos de pontos. E seus quadros que mostram pinturas que lembram os mais diversos níveis celulares.

Mas seus trabalhos mais notáveis, não são seus quadros, e sim suas instalações, usando espelhos e luzes que revelam nosso lado voyeur. A comum [cotidiano] sala de estar cheia de pontos iluminada pela luz negra nada mais é “do que viver Kusama”, ela é a instalação, aquela maneira de ver a sala é como ela enxerga o mundo, por um momento então somos Kusama.

Entrar na exposição e só pensar na beleza de seu arranjo [e pensar nas fotos para o instagram] é desperdiçar a oportunidade de conhecer outro tipo de psique, ou melhor, entender como essa situação serve de motor para sua criatividade.

k3

Acima de tudo a exposição retrata o que Kusama sempre foi. Uma pessoa atormentada desde cedo e que a arte a salvou de um fim trágico, externar toda essa obsessão e estar rodeada pelos mais renomados artistas pop [Entre eles o seu maior expoente Andy Warhol] de sua época deu uma vida melhor a artista.

Aproveita a arte e veja o mundo pelos olhos de Kusama.

k1

YAYOI KUSAMA – OBSESSÃO INFINITA
QUANDO: ter. a dom., das 11h às 20h; até 27/7
ONDE: Instituto Tomie Ohtake, av. Faria Lima, 201, tel. (11) 2245-1900
QUANTO: grátis

Malditovivant, volta na segunda com um novo post.

O Médico Alemão – uma prova da qualidade do cinema Argentino

Na quarta passada fui ao cinema assistir o filme Argentino: O Médico Alemão. Filme que tem a direção de Lucía Puezo que faz adaptação direta para as telas de seu próprio livro Wakolda, que narra um período da vida do temido “médico” alemão Mengele.

Àlex Brendemuhl vive o Médico Alemão

Àlex Brendemuhl vive o Médico Alemão

Mengele ficou conhecido por suas experiências sobre a chancela do Terceiro Reich, Mengele gostava de fazer experimento com recém-nascidos. Entre os horrores ele desmembrou homens e tentou mudar a todo custo a cor dos olhos das pessoas, aplicando tinta no globo ocular.

Com o fim do reinado de Hitler, Mengele se viu obrigado a vir para a América do Sul, e seu primeiro destino foi a Argentina, que tem uma rica herança Alemã. Mas o trunfo do filme é fugir desta atmosfera de horrores dos atos de Mengele e criar um Drama sensível, onde o médico é coloca ao lado de uma garota Lilith [Florencia Bado] que sobre de problemas de crescimento.

medico-alemao-destaque

Lilith e Mengele vive uma relação estranha, quase que um amor platônico, mas o olhar e admiração de Mengele vai além do estudo, mas isso fica no ar, preso entre as camadas do roteiro, lembrando que Lilith foi a primeira mulher.

Como ninguém sabe sua real identidade Mengele acaba entrando no seio da família, dando conselhos a mãe,[ interpretada pela bela Natalia Oreiro]sobre um possível tratamento para a doença da filha. Apesar desta interferência, o pai de Lilith se sente incomodado com a presença de Mengele e não aprova o tratamento.

Mas Mengele é extremamente manipulador, e consegue iniciar o tratamento da jovem Lilith. Mengele percebe também a fragilidade do pai e até certa semelhança e acaba conquistando sua confiança. Esse olhar leve sobre a história, também guarda seus segredo, que são desvendados aos poucos.

medico alemao 6

Além de conduzir muito bem a história e criar um ritmo agradável e dar a profundidade certa aos personagens em parte pela qualidade do elenco, onde cada um parece guardar um segredo do seu passado. Outro acerto são as locações que passam pelo deserto da Patagônia e Bariloche.

le-medecin-de-famille

Este é apenas um pequeno desenho da história. O filme merece ser visto, e como eu disse no instagram o cinema Argentino está anos luz a frente do nosso cinema by Globo Filmes.

Malditovivant volta na sexta.

Ultraviolence o novo disco da Lana Del Rey!

Eu conheci a Lana de Rey graças a um post da Dona Canela [clique aqui e leia], então nada melhor do que a própria Dona canela para falar sobre o novo Disco da Lana.

 

103426w550

Ultraviolence, lançado no início de Junho, se faz livre das montagens e exageros sintéticos do Born to Die (2012). Ultraviolence, é como uma extensão das músicas presentes no primeiro álbum: Video Games e Blue Jeans; músicas melancólicas em que a voz se destaca dentre os instrumentais, e, que se mostram como a verdadeira identidade da Lana del Rey.

Ultraviolence tem nome inspirado no romance de Anthony Burgess, Laranja Mecânica. Na história, Alex (personagem principal) narra suas aventuras violentas usando uma linguagem de gírias, levando sua gangue a atos de “ultra violência”, além de sentir-se bem com seu comportamento fora dos padrões perante a sociedade. Alex tem prazer em ouvir música, mas acabou sendo destruído pela mesma: no final, ele associa sua música preferida com a violência, ficando atordoado quando a ouve.

lana-del-rey-6041-tt-width-600-height-450-crop-1

Lana já afirmou gostar da sonoridade da palavra e a escolheu por essa razão, porém, observando esse recorte e associando ao que ouvimos, entendemos como o amor e estilo de vida “fora dos padrões” soam como a dita “ultraviolência”, relacionam como esses comportamentos podem te fazer se sentir bem e ao mesmo tempo destruir você; valendo lembrar que a cantora já enfrentou o alcoolismo as 16 anos de idade.

***

O álbum é grandioso, mas ao mesmo tempo acolhedor e funciona como um reposicionamento da cantora. O disco é mais “sujinho” que o primeiro, traz influências do Dream Pop e da psicodelia dos anos 70 em seus acordes; vemos uma cantora amadurecendo, experimentando sua voz e melodias e tendo a coragem de regravar todo um álbum em seis meses após conhecer Dan Auerbach (vocalista da banda The Black Keys) que produziu grande parte desse “novo” CD (que algumas fontes dizem ter sido gravado “ao vivo” com uma banda no estúdio).

Com o principal produtor sendo Dan Auerbach a cantora parece ter encontrado um caminho seguro e identitário; ouvimos violinos, solos de guitarra arrastados, bateria marcante e voz carregada de efeitos. Lana del Rey se afasta da mistura entre Hip-Hop e a “América dos anos 50”, levando o álbum para o Dream Pop (ouça Mazzy Star), instrumentalidade mais limpa e rock n’ roll.

Grande parte da qualidade do álbum vem da aproximação com a psicodelia dos anos 70; Shades of Cool e Cruel World são exemplos desse gênero que parece ser uma das possibilidades para a cantora. Ultraviolence também traz relações com a psicodelia, mas com bateria mais marcada, um refrão mais presente e repetido e a famosa frase he hit me and it felt like a kiss original do quarteto The Crystals (1963) e que parece ter sido feita para o álbum de 2014 .

Glamour

Glamour

Somente em Blue Jeans (do álbum anterior) mostram a Lana del Rey tão segura e anti-modismos, até mesmo o cover da canção The Other Woman da Nina Simone fazem sentido no novo universo dela. O foco da vez é na voz e não em mixagens; ponto muito distante do Born to Die.

vídeo de West Coast

West Coast, Brooklyn Baby (música em que Lou Reed iria cantar com ela, mas faleceu no dia em que combinaram para gravação) e Pretty When You Cry parecem uma tentativa de voltar ao estilo do primeiro álbum, porém, a presença do produtor parece ter atuado, e os sons soam mais crus, com menos influências eletrônicas e do hip-hop. Fucked my way up to the top, Old Money e Money Power Glory destoam do álbum, não se encaixam muito bem tanto por suas letras (mais rasas e limitadas) quanto melodia (mais eletrônicas), e que poderiam estar em Born to Die; deixando tudo um pouco confuso durante a audição.

Bella

Bella

Dentro dos seus recortes e com Dan Auerbach, Lana del Rey faz um trabalho começando a traçar sua própria identidade a partir de suas próprias influências e gostos, uma mulher cantando e fazendo um CD que teve vontade, saindo da caixinha criada pela indústria POP.

Para ouvir o álbum inteiro [clique aqui]

Para Baixar o Disco [Clique aqui]

5 razões para…[Fugir da Copa do Mundo]

Sim, a COPA chegou! Não tem como fugir, os “Pachecos” se proliferam pela ruas, você liga a TV só se ouve Brasil, bandeiras por todos os lados, torcer pelo time da casa se tornou o maior exemplo de patriotismo.

Não ter a amarelinha no guarda-roupa, é motivo para se tornar o inimigo número um da pátria das chuteiras, se você não ama futebol [assim como eu]. Elenquei cinco coisas legais para fazer enquanto o mundo se acaba na hora do jogo!

 

1 – Ouvir Música: Ela vai te salvar dos fogos, da TV alta, do vizinho chato e tudo mais em volta, eu não gosto muito destes fones gigantes, mas ganhei um. Percebi que ele pode ser a minha salvação contra o corneteiro. Para reforçar meu time, estou com dois novos discos: O Ultraviolence [Lana Del Rey] e o Lazaretto [Jack White], acho que até vai rolar um post, mas antes vou usar os dois pra fugir do ufanismo do já ganhou e da reza que diz que a salvação do mundo está no grito de GOOL.

trilhadesexta_3

2 – Leitura: Parece improvável, mas pode dar certo. Pra mim deu certo na COPA das confederações, o inicio foi complicado, mas minha concentração foi mais forte. Eu me dei de presente a Biografia do Marlon Brando, não sou um apreciador de biografias, mas estou gostando muito da maneira que ela foi escrita, espero falar sobre ela em breve.

tumblr_lt265w6o1s1qli3kuo1_500_large

 

3 – Cinema: Sim eles estão abertos, pelo menos a sua grande maioria. Você trabalha a semana inteira, nunca tem tempo para o cinema? Sua chance é agora. Você foge das salas lotadas e ainda foge da corneta do seu vizinho [as vezes dá vontade de fazer o idiota engolir a corneta].

522871098_c605333a2a

4 – Vai dar uma volta: Espere pelos 10 primeiros minutos de jogo, pegue seu carro, sua bicicleta ou seu tênis e saia por ai. A cidade vai estar vazia, quase como um feriado, eu fiz isso na Copa passada, coloquei um som legal e sai dirigindo por ai, pista vazia, sem trânsito, só fuja das regiões com bar, com certeza você vai encontrar um idiota com uma corneta.

foto-galeria-materia-620-1u

5 – É dia dos namorados: Se a sua namorada não é uma fanática por futebol, se mostre um homem diferente, se você levar ela para jantar a chance de encontrar um “Pacheco” é muito grande. Então vá ao mercado cedinho e compre os ingredientes, arrisque uma receita, as vezes o prato simples mas bem intencionado faz a diferença no dia de hoje, não esqueça a garrafa de vinho e capriche na ambientação da casa [música e iluminação], pra fechar um filme legal. Assim você foge da Copa e ainda faz sua parceira feliz.

dsc_0194_2

Se mesmo com o motivo número cinco, você ainda vai correr atrás do jogo. Boa sorte!

Você é a namorada: não caia na velha desculpa de que dia dos namorados é todo dia, e repense qual é a real prioridade do seu parceiro.

Para todos os demais, lembre-se: Ser patriota não é torcer pela seleção Brasileira!

O malditovivant volta na Segunda…Fugindo da COPA das COPAS, ou da COPA do Brasil