Coleção Pirelli completa a maioridade e chama a atenção da fotografia Brasileira

É preciso coragem para ter talento”. George Brands

Idealizado em 1990, mas só colocado em ação um ano depois a parceria entre a Pirelli e o MASP renderam bons frutos nesses 21 anos, a idéia dos dois idealizadores era a de incentivar os novos fotógrafos do país e buscar um novo olhar para a nossa nação que estava em pleno desenvolvimento.

Com o passar dos anos a coleção foi aumentando e novos artistas chegando [no mesmo passo que artistas antigos se retiravam] dando um ar de eterno a coleção. Hoje com mais de 1.000 fotos a coleção não tem planos de parar e sim expandir seus horizontes, uma prova disso é a nova exposição Pirelli/MASP 2012 que reúne 100 obras [30 novas e 70 antigas] criando uma retrospectiva da fotografia nacional e claro do objeto em comum de todas as fotos o Povo Brasileiro.

Cena de trabalho - Pierre Verger

Entre os artistas presentes temos: os retratos de Otto Stupakoff, as imagens intrigantes de Miguel Rio Branco, O trabalho documental de Pierre Verger e Marcel Gautherot, José Medeiros, a ruptura do pictorialismo para a modernidade de Geraldo de Barros, os experimentalismos de Rosangela Rennó [Uma artista plástica].

Lord of the Head - Mario Cravo Neto

Essa nova exposição também vai servir para ditar os rumos da coleção, com o olhar do publico a curadoria consegue voltar os olhos para o futuro e repensar os rumos da fotografia Brasileira e do acervo e “quem sabe” ainda influenciar uma nova geração que pode ser o futuro da fotografia Brasileira.

Se você estiver em São Paulo ou pensa em passar pela cidade não deixe de ver essa nova exposição, que vai até o dia 06 de maio.

Love You - Miguel Rio Branco

MASP: Av. Paulista, 1.578, telefone 3251-5644. De 3ª a dom., 11h/ 18h. 5ª,11h/20h. R$ 15 [3ª grátis]

O Romance em K7 [As verdadeiras Mix Tapes]

Não era simples, mas era mais divertido.

[Antes um aviso legal, duas pessoas voltaram a ter Blog: Carolina Fabris voltou a falar de moda com o FashionTAB e a Priscila do falecido Holmes Cruise abriu um novo blog chamado Creativity in Fashion Desing {ufa…nome grande}, dá uma clicada no link e veja as novidades]

Nesses últimos meses, você percorria a internet e só via falar de protestos contra o SOPA e o fechamento do Megaupload, a internet que conhecemos anos atrás [sim sou um usuario desde 1998] está caminhando para um rumo diferente, mas não estou aqui para discutir a falta de liberdade ou seu excesso de liberdade, venho aqui para falar das Mixtapes.

Para os mais novos, as Mixtapes são compilações de musicas em fitas, comuns anos atrás. Existiam as Mixtapes originais [criadas por gravadoras para vender hits ou popularizar bandas] e as piratas [feitas em casa]. Existia o costume de se presentear as pessoas com Mixtapes, mas não era uma coisa simples de se fazer. Uma fita k7 tem em média de 30 minutos por lado, para criar a Mixtape, você precisava arquitetar muito bem a ordem das músicas e o tempo entre cada faixa.

Cores e Modelos...

Normalmente as musicas eram gravadas direto do vinil para o K7 ou em casos extremos você copiava direto da rádio, havendo o risco de pegar alguma vinheta no meio da sua música, estragando todo o seu trabalho com a Mixtape. Mas com o tempo você acabava pegando os macetes da montagem de uma boa Mixtape.

Para a seleção das músicas não existe bem uma regra, o certo é antes de começar o projeto, é pensar quem vai receber a fita. Nesse caso é legal saber o que a pessoa não gosta de escutar, pq o intuito da Mixtape é a pessoa não pular a faixa e escutar do inicio ao fim.

Modelo mais usado pelo meu irmão

Hoje em dia existem sites especializados em Mixtape como o [http://mixtape.me/] onde você pode criar sua própria Mixtape e compartilhar no seu Blog ou enviar para algum amigo, mas ainda passa longe da dificuldade de criar uma Mixtape ao velho modo.

Se você quer criar uma Mixtape das antigas, basta correr e procurar uma fita K7 [por incrível que pareça você ainda acha pra vender] pensar nas canções e passar direto do CD para a Fita. Meu irmão quando tinha minha idade tinha o costume de criar Mixtapes para as namoradas.

Ele me passou algumas regras básicas [Não siga é muito anos 80]

– Bon Jovi é ideal para finalizar uma Fita.

– Bandas nacionais devem ser usadas com moderação.

– Tente ser eclético, mas não muito.

– E nunca finalize uma fita com Legião Urbana. [Regra de Ouro]

Eu já fiz muitas Mixtapes, me arrisquei a fazer uma em CD para uma pretendente, ficou bem original, fiz até o encarte. Agora que você conhece as regras do meu irmão, não as sigas e tente fazer uma Mixtape em Fita ou mesmo em CD, se fizer online me passa o link, vai ser legal escutar.

Até quarta com mais posts…

A Semana III + Projeto 52 [3/52]

Mais uma semana se passou, mas uma semana vai entrar. A que ficou foi pra lá de tumultuada, com chuvas, brigas, lagrimas e caixas de papelão.

O que vem a seguir, ninguém ao certo deve saber, o que eu apenas sei é que existe um Céu que me protege.

Essa semana post de bom disco que chegou nas prateleiras e outras coisinhas mais.

A terceira foto do projeto 52 ilustra bem esse céu que me protege.

 

A frase da semana, foi tirada do livro que de Paul Bowles [O Céu que nos Protege], nela Portis [um dos personagens] faz uma reflexão sobre a vida.

 

 Uma estrela negra aparece, um ponto de escuridão na claridade do céu noturno. Ponto de escuridão e portal para o repouso. Estenda a mão, penetre o tecido fino do céu que nos protege, repouse.

Problemas de chuva…BurningSong Burning Song VI [Bruce Springsteen – Dancing in The Dark]

Desculpa…A chuva de ontem que quase acabou com tudo aqui em MG, por sorte só levou a minha ANTENA DE INTERNET.

Nem o meu Snoopy que tava sozinho na Fazenda, teve problema, achei que hoje eu ia encontrar ele mais sujo do que tudo, cheguei lá o bicho tava branquinho como sempre.

Então como to na LAN vou fazer um post rápido sobre um som que tem me acompanhado por todos esses dias.

Bruce Springsteen com Dancing in The Dark.

Sempre que chego à fazenda cedinho, e o sol nem bem nasceu eu fico meio desanimado, mas coloco esse som dá uma boa animada…ai já vou trabalhar a todo vapor [Sou um cara moderno uso Ipod na fazenda].

 

 

Bruce Springsteen – Dancing in The Dark

I get up in the evening
And I ain´t got nothing to say
I come home in the morning
I go to bed feeling the same way
I ain´t nothing but tired
Man I´m just tired and bored with myself
Hey there baby i could use just a little help

You can´t start a fire
You can´t start a fire without a spark
This gun´s for hire
Even if we´re just dancing in the dark

Message keeps getting clearer
Radio´s on and i´m moving ´round the place
I check my look in the mirror
I wanna change my clothes, my hair, my face
Man I ain´t getting nowhere just living
In a dump like this
There´s something happening somewhere
Baby i just know that there is

You can´t start a fire
You can´t start a fire without a spark
This gun´s for hire
Even if we´re just dancing in the dark

You sit around getting older
There´s a joke here somewhere and it´s on me
I´ll shake this world off my shoulders
Come on baby the laugh´s on me

Stay on the streets of this town
And they´ll be carving you up all right
They say you gotta stay hungry
Hey baby I´m just about starving tonight
I´m dying for some action
I´m sick of sitting around here trying to write
This book
I need a love reaction
Come on now baby gimme just one look

You can´t start a fire sitting ´round crying
Over a broken heart
This gun´s for hire
Even if we´re just dancing in the dark
You can´t start a fire worrying about
Your little world falling apart
This gun´s for hire
Even if we´re just dancing in the dark
Even if we´re just dancing in the dark…

Com chuva ou sol Post no Domingo

Não pode faltar na sua Estante [Fotografia]: Pilgrimage

“Sim, nada mais sou do que um viajante, um peregrino sobre a terra! E você é alguma coisa mais do que isso?” Goeth em dialogo do livro: Os sofrimentos do jovem Werter

 

O carnaval acabou tudo começa a engrenar novamente, e o Blog tb. Pra compensar a ausência, teremos post hoje, amanhã e Domingo. Depois na semana que vem, voltamos com a programação normal. E na próxima quinta, post lá no turmadocafe.com, se você não conhece ainda, tá perdendo tempo.

O “Não pode faltar na sua estante” de hoje é focado em fotografia, mais precisamente em Annie Leibovitz, que recentemente lançou seu mais novo livro, mas só agora ele chegou as livrarias brasileiras [Antes só adquirido via Amazon]. Seu novo livro se intitula Pilgrimage [peregrinação].

Parte interna do livro

O título diz tudo sobre o livro, pois dessa vez Annie olha para dentro de si e esquece o mundo dos retratos e inicia uma volta ao mundo por meio da fotografia, mas com a a idéia de que as coisas ficam, mas as pessoas não.

Esse trabalho que foi idealizado a mais de oito anos, só foi produzido agora, por conta de todo o turbilhão que a artista tem enfrentado, primeiro com a morte de sua parceira, a escritora Susan Sontag e depois por estar sendo processada pelo o grupo Art Capital Group alegando que ela devia milhões em empréstimos e honorários, além de outras várias dívidas adquiridas ao longo de sua carreira.

O divã de Sigmund Freud

 

A Tv baleada por Elvis

Apesar do projeto ser antigo, Annie levou apenas 3 anos para tirar todas as fotos e reunir em um livro. Durante todo o tempo que trabalhou no livro, Annie sempre foi aconselhada a parar e desistir de tudo: “Constantemente me diziam que este livro não traria dinheiro e que eu deveria deixá-lo de lado, mas eu realmente queria fazê-lo. Eu precisava salvar minha alma”.

Além da fotografia tirada nas Cataratas do Niágara [que ilustra a capa do livro], livro traz imagens da casa da escritora Virginia Woolf, do famoso divã de Sigmund Freud, da coleção de espécimes do biólogo Charles Darwin e do único vestido que sobreviveu ao tempo da escritora Emily Dickinson, as luvas que estavam no bolso de Abraham Lincoln no dia em que foi assassinado e a TV que Elvis deu um tiro em uma tarde dos anos 70.

Quarto de Virginia Wolf

Todas as fotos foram tiradas com máquina digital, [barateando os custos de produção e edição do livro] mesmo usando esse novo recurso as fotos ficaram magníficas. Lá fora além do lançamento do livro as fotos ganharam uma bela exposição no Smithsonian American Art Museum ,em Washington. Por aqui não existe previsão e nem planos para a montagem da exposição.

Annie no dia da exposição

Então se você gosta de fotografia, e quer ver um lado mais profundo de Annie Lebovitz vá à livraria adicione esse livro a sua biblioteca.

 

Pilgrimage

Autor: Leibovitz, Annie

Editora: Random House Inc

Páginas: 246

Preço: Em torno de 110 Reais.