Girando e girando rápido

Por Humberto Domiciano

[Convidei meu amigo para falar do Beady Eye um Oasis sem o Noel, antes ele fez uma resenha do disco solo dele, clica aqui dá uma lida]

Como é de conhecimento de todos, o Oasis deixou de existir em 2009. A partir de então, os irmãos Gallagher resolveram cada um montar a sua banda. O Beady Eye, que tem Liam junto com todos os integrantes da última formação do Oasis, lançou seu trabalho primeiro. Different Gear, Still Speeding é uma boa mostra de rock n’ roll e já nos deixa ansiosos para o próximo cd…

 

Four Letter Word – Abertura típica do Oasis dos anos 90. Riff marcante, vocais limpos e batida animada. Grande som, com uma letra bem interessante e mostra um Liam talvez mais maduro…

Millionaire – Mais uma bela canção. Timbre e tema bem anos 60. É complicado não comparar com Beatles, mas a melodia é boa e cativante e novamente a letra é boa…

Liam, o BadBoy que o Rock Precisa

The RollerAqui temos o primeiro single do trabalho. Semi-balada, de certa forma melancólica. Algum fã mais atento pode lembrar um pouco de John Lennon em seus primeiros discos-solo.

Beatles and StonesO título diz tudo. Rockão bem anos 60, rápido, direto e sem firulas. Vamos passar como Beatles e Stones!!

Wind Up DreamOutra com a cara do Oasis. Tem uma levada mais preguiçosa, quase indolente, mas com bons riffs e solos. Poderia facilmente estar em algum disco da banda de Manchester.

Bring the LightAqui Liam voltou um pouco mais no tempo. O piano lembra Jerry Lee Lewis e a coisa fica mais interessante com a guitarra afiada no momento certo e com o coro feminino de fundo.

For Anyone – Primeira música ‘bonitinha’ do disco. Violão, batidinha manjada e toquezinho folk. Som agradável e só.

Kill For a DreamMais uma balada. Mas nesta, os arranjos são mais elaborados e a música vai crescendo. Bela letra, com uma mensagem muito boa. Vale destacar também os solos curtos, mas bem precisos.

Standing on the Edge of NoisePesada, barulhenta e com o título mais uma vez auto-explicativo. Lembra de leve Helter Skelter, dos Beatles. Essa anarquia é boa e faz falta para o rock moderno.

WigwamUma semi-balada. Sem nada de especial, talvez a mais fraca do disco.

Three Ring CircusRock básico, bom riff, bom solo e refrão preciso. Simples como esse tipo de som deve ser.

The Beat Goes OnTalvez a mais beatlemaníaca do disco. Arranjos sessentistas e a temática também. Mais um bom som e que serve para mostrar que Liam também consegue acertar nas suas composições.

The Morning Son – O fechamento do disco foi com bom gosto. Balada com violão, sons mais delicados. Música feita sobre a paternidade e o quanto ela pode alterar a vida de um homem.

[Amanhã eu estou lá no Turmadocafe.com para dar uma dica de filme, como hoje falamos de Oasis, amanhã é dia de falar de Lennon]

Anúncios

2 comentários em “Girando e girando rápido

  1. O mundo de Assim...Assim... disse:

    Bom! Muito bom!

  2. Olívia disse:

    Admito que essa banda nunca encheu meus olhos, muito prepotente, mas tem uma ou outra baladinha que até desce se você esquecer que se trata de Oasis. Não sabia que tinham se separado, mas qual a função então de mudar o nome de uma banda, que segue a mesma linha com quase todos os integrantes? Ok, ouvir porque o post foi muito bom. Mesmo.

Comente [Vamos dividir um Drink!]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s