Let me in, um remake honesto ?

Os Americanos precisam de remakes para provar que são superiores.

Quando um filme fora do mercado inglês faz sucesso, os americanos têm o costume de comprar os direitos do filme e refazer as suas filmagens, com seus atores e esbanjando em efeitos especiais.

Janela Indiscreta + Jason

Pra quem não sabe Departed [ganhador do Oscar de 2006] é um remake de um filme coreano que chegou aqui com o nome de Conflitos Internos. O filme foi um sucesso de bilheteria, mas o filme original também foi um sucesso de bilheteria nos outros países, então pq não apenas legendar o filme?

Essa pergunta não pode ser respondida facilmente, mas o que importa que Let me in, não fugiu muito dos padrões do filme sueco de 2008 que foi sucesso em Canes e só chegou nos cinemas Brasileiros em 2010 [eu cheguei a comprar o ingresso e acabei não indo ao cinema]. O filme original pode ser encontrado nas locadoras ou pode ser visto no canal a cabo Cinemax.

Original e Remake

Neste remake somos transportados de um subúrbio Sueco para uma pequena cidade no Novo México, lá um garoto [Owen] atormentado pelos valentões da escola e solitário por viver com sua mãe, que trabalha muito pra sustentar a família já que é separada. Owen vive sozinho, passa a maior parte do tempo se lamentando e pensando em uma maneira de se vingar dos valentões da escola.

Em uma dessas noites, ele conhece Abby, uma garota estranha que não sente frio, ela o adverte que seria impossível serem amigos, Owen não dá bola para isso, e assim começa uma amizade entre os dois. Owen não suspeita que Abby é uma vampira e precisa de sangue para viver. Abby não pode se arriscar saindo a noite, então tem um homem [tido como pai] que comete assassinatos na cidade e colhe litros de sangue para Abby.


Apesar de parecer uma história de amor entre vampiros [Crepúsculo], o filme é muito mais que isso, o tema central são os ritos da juventude e suas descobertas, tudo isso levado de uma maneira muito leve.

Algumas diferenças entre o Remake e o Original

 

  • Nesta nova versão o filme é contato em flashback duas semanas antes de um fato específico [não vou entregar o filme], um recurso comum do cinema americano.

 

 

  • O garoto Owen nesta nova versão se torna mais perturbado, Owen tem o costume de ver os seus vizinhos com sua luneta, além de uma tendência psicopata [meio Jason] ao usar uma máscara enfrente ao espelho.

 

 

  • Ambigüidade, Abby não é uma garota. O filme que é baseado em um livro Sueco, mostra bem isso. A escolha da bela Chloe Moretz para este papel acaba atrapalhando no julgamento. O original também coloca no papel do monstro uma garota, mas seus traços infantilizados atrapalham no julgamento.

Remake e Original

 

  • Transformação, no momento que Abby corre em busca de sangue, suas feições mudam se tornando “uma vampira digital”. No original tudo isso é induzido, dando mais leveza a trama.

 

  • A falta de leveza também é notada na cena final, onde o diretor mostra por A+B como é Hollywood.

Antes de ir ao cinema ver Let me In, busque nas locadoras o Original que chegou aqui com o nome de Deixe ela entrar.


Anúncios

6 comentários em “Let me in, um remake honesto ?

  1. Vai lá pro final da lista de filmes a serem vistos ehehehhe
    beijos
    J^^H

  2. Ai gente, coisa de americano isso, né? Deixa ela entrar (o original) é lindíssimo, tem uma fotografia primorosa, atuações incríveis das crianças… Essa versão americana parece ser beeeeem trash. Fico com o original!

    Beijo,
    Camila F.

  3. na minha busca insana por historias de vampiros, assisti esse filme em 2009, tive que baixar por torrent e ver dublado em inglês.
    definitivamente não era algo hollywoodiano e nãod everia ter sido adaptados.
    como tudoq ue fica famosinho e popular demais me irrita, me irritou que esse filme tenha virado popinho. e que as pessoas nem perderiam o tempo assistindo a versão original.
    teria sido muito melhor se tivesse explorado mais o lado sensual. mas colocaram as personagens como crianças. haha.
    na minha classificação ficou um cult mais pra trash.
    dessa vez não vou perder meu tempo assistindo a versão americana.
    sou fiel a obras e adaptações me irritam muito.

  4. Priscila disse:

    Vou confessar que acharia era ruim se o filme fosse muito parecido com o original, então para quer assistir? kkkkk, acho legal fazerem um remake, mostra em outra forma a história

  5. […] anos 80 [Uma safra bem produtiva], ou mesmo comprando uma produção de sucesso e a americanizando [Clique aqui e leia]. Para isso existe uma alternativa, temos as boas produções Européias, neste post eu vou falar […]

Comente [Vamos dividir um Drink!]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s