A Perestroika, o domingo e sem sonhos no inverno

Cada vez mais eu me traio, novamente venho aqui com um post pessoal.

2679145359_5b04267e3f_oSábado eu tirei para comemorar a minha nova idade [adorei esse termo], comemorei muito [quase abusei] e nessa boa noite eu refiz velhas amizades, criei novos laços em resumo a noite foi muito boa.

No bar, banda era legal, a bebida excelente [acho q aqui não tem como errar] conversei, filosofei, dei conselhos [espero q alguém tenha ouvido] e ao final da noite fiz um brinde com meus amigos presentes.

Não tinha 50 pessoas, mas tinha o suficiente, claro q eu senti algumas ausências, mas eu não ligo pra isso….não mais.

O dia seguinte, depois de uma noitada dessa é sempre meio estranha e não falo da dor de cabeça, ou dos Flashes da noite [adoro esta parte] eu falo do maldito marasmo do Domingo.

Este é um problema que eu ainda não consegui sanar, a 2 anos atrás os meus domingos eram comprometidos com uma namoradinha, era bom, sim era bom. Mas com uma namoradinha[uso esse termo pq a ex ainda fica brava quando falo namoradinha], eu nunca poderia ter uma noitada como a de ontem, isso não pq eu sou um galanteador, e sim pq eu gosto de ser eu mesmo. E até hj nunca encontrei alguém q me permita ser eu mesmo, por isso sempre prefiro passar o meu aniversário solteiro[apesar do meu coração me trair].

Pq eu gosto de beber, gosto de brincar com as pessoas em volta e estou lá exclusivamente para me divertir com meus amigos.

[Lembre-se, vale muito mais uma manhã confusa, do que uma noite solitária.]

Mas falando no dia seguinte, pq esse post é sobre eles, não sobre relacionamentos.

O dia seguinte é sempre morto, então resolvi sair pra curar a chatice do dia e pra me ajudar a curar um outro problema eu coloquei no IPOD o disco Blood on the Tracks, ele mesmo o disco dos apaixonados do Bob Dylan, gosto das faixas e elas tem o poder de curar qualquer dor de relacionamento, apesar q a dor do amor não tem cura, ela apenas some pra voltar um tempo depois.[quem disse q precisamos de uma cura?]

dylan-bob-276-l


Eu encontrei a cura…..e bebi dela.

Voltei mais tarde pra casa, respondi alguns e-mails e esperei alguns chegarem.

Resolvi dormir, mas perto das 23horas o Telefone tocou [ele nunca desliga], e no meio da noite as pessoas resolvem conversar sobre uma reunião, que eu sabia q foi adiada.

Depois disso perdi o sono, nenhum filme na TV de bom, sorte minha que eu recentemente comprei a primeira temporada do seriado Californication [farei um post sobre isso] assisti uns 3 episódios [30 minutos cada] e mesmo assim o sono não veio.

E agora por volta das 3 horas eu dormi.….só q eu acordei a 2 horas depois [novamente o relógio biológico me traindo].

Hj eu tenho mil coisa a fazer[vou até a praia], e essa semana promete ser difícil.

Mas tenho uma boa nova, achei uma pessoa especial pra fazer uma resenha de um livro, para o BLOG.

Essa pessoa que apesar da tenra idade, tem um gosto muito bom para livros [diferente da maioria das pessoas da comunidade do livro, do post em questão].

Ela tem um contrato comigo para 3 resenhas, espero renovar o contrato, para mais 3 e quem sabe 4 filmes.

E amanhã ela estréia.

Anúncios

9 comentários em “A Perestroika, o domingo e sem sonhos no inverno

  1. Poxa, que legal! Me fez passar vontade. Fiquei sexta, sábado e domingo sofrendo dessa dor do amor e, o pior, sozinha em casa, de cama. Nem ler eu consegui porque meus olhos simplesmente fechavam. Resumindo: não tirei nenhum proveito do fim de semana. Fico muito feliz que você tenha aproveitado! Eu concordaria com vc no que disse em relação a nenhum relacionamento permitir que vc seja vc mesmo mas, meu ex disse a mesma coisa a meu respeito então, não posso comentar. Pra te consolar posso dizer que, até hoje, nenhum relacionamento me permitiu ser eu mesma, também. Será isso um mal de todos os relacionamentos?

  2. Ah! Quero só ver essas resenhas, hein?! Hahaha.

  3. Rafael Freire disse:

    Mr. Brightside…

    Sabia q eu acho que aprendi, mas acho q preciso de uns testes ainda pra ver se o esforço valeu a pena…. Só quero ter certeza que eu não sou mais o pior nesse quesito… Intangível

  4. ...assim, assim... disse:

    Ahhhhhhhhhhhh…queria ter ido…:(

  5. Gleica disse:

    Engraçado, pois… meu último aniversário ocorreu da mesma forma! Um bar calmo, amigos com quem gosto de compartilhar esse momento e música boa… Bebi o suficiente, e passei o domingo refletindo sobre os flashs dos 18 anos que se passaram, e não apenas da noite anterior. E também lembrei dos domingos com o meu “namoradinho” hahahaha.
    Achei que eu nunca diria isso, pq sempre acho super chato ouvir as pessoas falando, mas… repetindo-as.. EU ESTOU ENVELHECENDO! hauhuauhahua xD
    O importante é saber aproveitar cada fase… e este blog acaba de ser incluso nos meus favoritos!

    See ya!

Comente [Vamos dividir um Drink!]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s